180graus

Dia 05 de setembro - 11/08/2017 às 21h33

Evento 'Viva Mulher' vai discutir bem estar da mulher e empoderamento

Acontece no dia 5 de setembro, no espaço Celebração Eventos, o evento Viva Mulher.

Uma noite de palestras voltada para a mulher moderna, que vai discutir sobre bem estar, autoestima e empoderamento.

Irão palestrar a jornalista Vivi Oliveira, com o tema "Ser Feliz: a missão da mulher do futuro"; Izabel Lins, com "A volta por cima"; e Márcia Leal, falando sobre "Mulher Salto 15: Faça ele correr atrás de você".

Os ingressos podem ser comprados, pelo valor de R$ 50, na Ferni do Teresina Shopping e no salão Fran Cabelos, na Avenida Higino Cunha.

WhatsApp Image 2017-08-10 at 16.18.46.jpeg

Taxa de assassinatos subiu - 16/07/2017 às 12h06

'Piores estados' para ser mulher no Brasil: Piauí está em 23º no ranking

Pixabay

Pixabay

Casa do cartucho

O site de Exame divulgou neste domingo (16/07) dados de 2015, de levantamento pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), sobre a violência contra as mulheres.

No ranking dos estados mais violentos, o Piauí aparece em 23º lugar, com taxa de morte de 4,1 para cada grupo de 100 mil mulheres.

Aparece à frente de Minas Gerais, Distrito Federal, Santa Catarina e São Paulo. Mas registrou aumento de 62% na variação da taxa de assassinato de mulheres.

"No geral, a proporção de mulheres assassinadas tem crescido nos últimos anos. Segundo o estudo, a taxa de homicídios entre mulheres saltou 7,5% entre 2005 e 2015. Por outro lado, em alguns estados, houve melhora na variação da taxa de violência: São Paulo teve uma redução de 35% nesse período", traz Exame.

exame.png

Relatório Global Gender - 15/07/2017 às 11h37

Mulheres no Poder: empresas lideradas por elas são mais rentáveis, diz estudo

No entanto, a presença de mulheres em cargos de liderança ainda é baixa: 79% dos principais líderes empresariais do mundo todo são homens

De acordo com o Relatório Global Gender Diversity 2016, elaborado pela Hays, as empresas com maior diversidade de gênero não apenas são mais rentáveis como contratam e retêm mais os melhores profissionais. No entanto, as mulheres ainda têm menor presença no local de trabalho, recebem salários mais baixos e ocupam menos cargos de responsabilidade que os homens.

O estudo revela que, embora a maioria das mulheres seja ambiciosa para progredir na carreira, 47% delas sentem que não têm a oportunidade de fazê-lo. Entretanto, foi revelado que a presença de mulheres em cargos altos, além de ajudar a aumentar a percepção feminina de sobre oportunidades de carreira, também aumenta a percepção delas sobre igualdade salarial.

Igualdade salarial para quem?

Em termos de salário, falamos há pouco tempo sobre as grandes diferenças, mas parece que os números não são o suficiente para tornar o mundo consciente dessa discriminação. Tanto é assim que, como mostrado na pesquisa, na Espanha, 72% dos homens acham que existe igualdade salarial entre os sexos, em comparação com 42% das mulheres que pensam o mesmo.

Que a existência de políticas de igualdade de gênero tem um impacto positivo sobre homens e mulheres, é um fato. Elas ajudam a aumentar a positividade em três aspectos fundamentais: a autopromoção de funcionários, percepção da igualdade salarial e oportunidades de carreira. Portanto, é necessário que as entidades se mobilizem em busca de uma política de empresa mais igualitária.

Um problema global - 14/07/2017 às 09h49

Diferenças entre homens e mulheres no trabalho: por que elas ainda existem?

Entre 142 países no ranking de igualdade de salários por gênero, o Brasil ocupa a posição 124

A desigualdade entre homens e mulheres no trabalho é um problema global, e, apesar de sua diminuição ter de fato ocorrido na última década, a progressão é lenta e irregular. Um estudo feito pelo Fórum Econômico Mundial mostrou que essa questão provavelmente só será resolvida no ano de 2095.

Entre 142 países no ranking de igualdade de salários por gênero, o Brasil ocupa a posição 124. Já entre os 22 países das Américas, nosso país aparece em 21º lugar, à frente apenas do Chile, e atrás de países como Bolívia, Honduras e Panamá.

A jornalista Mariana* foi contratada juntamente a outros colegas, todos homens, para exercer a mesma função que os demais – no mesmo departamento e com o mesmo cargo. Ainda assim, seu salário é inferior. “No papel, eu tenho outra função e recebo bem menos do que os outros colegas, homens, que estão no cargo correto e têm um salário maior”, diz.

Além disso, é constantemente cobrada sobre sua aparência. “Os superiores já reclamaram do meu cabelo, da minha maquiagem, das minhas roupas. Sugeriram até que eu usasse lentes de contato no lugar dos óculos. Nunca vi homens recebendo o mesmo tipo de cobrança”, conta ela.

Como o ranking do Fórum Econômico Mundial mostrou, situações como a de Mariana* são comuns nas empresas do mundo todo. A questão é...

Por que os homens ainda recebem mais do que as mulheres, mesmo quando exercem os mesmos cargos?

Para Allan Lopes, responsável pela área de Recursos Humanos da Soar Desenvolvimento Humano, isso ainda ocorre por conta de três possíveis cenários. O primeiro é o de que a empresa não possui um processo de cargos e salários definido, ou tem uma gestão imatura. Desta forma, o salário de cada colaborador é decidido no momento da contratação, e não há regra coerente que garanta a equiparação dos salários de profissionais que exerçam o mesmo cargo.

A segunda hipótese é devida ao contexto histórico de o homem possuir o papel de provedor. Apesar de nossa sociedade ter evoluído sobre o conceito de que o homem saía de casa para buscar o sustento para sua família enquanto a mulher cuidava da moradia e dos filhos, é comum pessoas e empresas ficarem presas a antigos conceitos.

Por fim, quando as mulheres se tornam mães, é comum que, além da licença maternidade, muitas optem por se dedicar ao filhos por um tempo. E, ao avaliar um currículo, o recrutador às vezes não entende que esse afastamento aconteceu por conta da maternidade. Os avaliadores tendem a pensar que, se um candidato ficou fora do mercado de trabalho por um longo período, isso significa que se desatualizou, e, portanto, seu salário pode ser menor.

Já Eline Kullock, especialista em Recursos Humanos e sócia da Stanton Chase International, empresa especializada em executive search, afirma que o motivo é pura e simplesmente o machismo enraizado na sociedade. “Não há outro motivo. Já houve muitas mudanças, mas elas ocorrem aos poucos. Não se muda uma cultura arraigada em um estalar de dedos. É necessário fazer este movimento (de igualdade dentro das empresas) sempre, para que a cultura de que os gêneros devem ser considerados da mesma forma se torne vigente e normal”, afirma.

Cargos de liderança

Apesar de os cargos de liderança ocupados por mulheres terem aumentado neste ano, uma média geral aponta que apenas 19% são preenchidos por elas. A questão cultural ainda prevalece, principalmente quando falamos de empresas imaturas, que possuem gestão fraca e cultura de diversidade inexistente.

Muitas empresas ainda precisam entender corretamente o conceito de liderança e perceber que apenas as competências definem o potencial de um profissional para os cargos estratégicos, independente de gêneros. Segundo Allan, as mulheres que buscam cargos de liderança também devem se preparar para essas posições, obtendo uma formação acadêmica interdisciplinar e alcançando altos níveis de excelência nas funções que executam – o que, aparentemente, já acontece. Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o número de mulheres que ingressam no ensino superior é maior do que o de homens. Em 2013, aproximadamente 6 milhões de matrículas foram feitas. Destas, 3,4 milhões foram de mulheres, contra 2,7 milhões de homens. Na hora de concluir os estudos, 491 mil alunas formaram-se, frente aos 338 mil homens que terminaram seus cursos.

Como as empresas estão agindo

Atualmente, há empresas com metas de número de mulheres em cargo de chefia ou no comitê de diretores, o que se denominou “diversidade”, e abrange também os gays. Grandes organizações já perceberam o poder de adotar programas de diversidade para minimizar os impactos culturais e favorecer um ambiente onde todos possam desenvolver seu trabalho da mesma forma.

A empresa multinacional de tecnologia Oracle, por exemplo, possui um programa de desenvolvimento chamado Oracle Women's Leadership (Liderança de Mulheres da Oracle, em tradução livre), que suporta e incentiva o crescimento das lideranças femininas dentro da empresa. A Accenture, empresa global de consultoria de gestão, tecnologia da informação e outsourcing, lançou neste ano uma iniciativa chamada AWAKE, que visa promover oportunidades iguais e debater opções para uma sociedade mais justa, principalmente destacando o protagonismo da mulher.

“Podemos perceber que muitas empresas já estão no caminho certo para essa mudança positiva. Porém, acredito que as empresas pequenas precisam migrar suas culturas rapidamente para conseguirem sobreviver”, diz Allan. Segundo ele, desenvolver um ambiente e que a diversidade é respeitada é o primeiro passo para um crescimento sustentável. E algumas soluções mais simples para estas empresas podem estar em palestras de conscientização, treinamentos sobre o tema e adequação em sua estrutura e gestão para igualar as relações de trabalho com urgência.

Homens x Mulheres: as diferenças realmente existem?

Desde crianças, ouvimos que homens e mulheres são diferentes. Hoje, boa parte do mito já se desfez, mas não completamente. Eline, por exemplo, afirma que, pelas próprias características masculinas e femininas há, sim, diferenças na forma de agir. Segundo ela, a mulher foi mais acostumada, nas épocas passadas, a permanecer na tribo e interagir – enquanto o homem saía para caçar.

Nosso cérebro é mais preparado para conversar com outras pessoas, perceber emoções, lidar com o grupo, ter a atenção distribuída, enquanto o homem foi treinado por séculos para ter uma visão espacial aprimorada (precisava se mexer na selva, jogar sua arma enquanto a presa se movia), a ter sua atenção focada, a decidir. “Logo, suas habilidades serão diferentes na hora do trabalho. Claro que nem todos são assim, mas há uma tendência a que sejam mais dessa forma”, diz.

Já Allan não acredita nessa teoria. Para ele, cada pessoa cria afinidades com determinadas habilidades ou competências ao longo da vida, porém, nada impede que novas aptidões sejam desenvolvidas no curso de sua jornada profissional. Ele conta que já atendeu e viu inúmeros casos de pessoas que, em busca de um objetivo, aprenderam novas formas de trabalhar, se capacitaram e hoje executam suas novas funções com maestria.

Por isso, é importante que as empresas tenham uma cultura de diversidade que ofereça condições iguais a todos. Desta forma, garantem que terão sempre os melhores talentos se desenvolvendo, no melhor ambiente possível.

Fonte: Com informações do Tão Feminino

Pesquisa realizada nos EUA - 13/07/2017 às 17h24

Você não está estragando seu filho: ciência desmente mito antigo

De acordo um estudo do Departamento de Psicologia da Universidade de Notre Dame, quanto mais cedo as crianças recebem conforto e carinho, melhor. Tudo o que os pais fazem nos primeiros meses e anos afeta realmente a forma como o cérebro do bebê vai crescer o resto das suas vidas. Por isso, muito colo, toque e embalo, é tudo que as crianças pequenas precisam.

Mito: colo pode deixar filho mal-acostumado?

Quando seus filhos são pequenos, os pais são obrigados a ouvir todo tipo de recomendação. É que todo mundo tem uma opinião ou conselho para dar na educação dos pequenos e é comum que digam que vocês estão estragando a criança oferecendo muito afago, colo ou carinho.

Porém, a pesquisa comprovou exatamente o que muitos pais erroneamente temiam: que é impossível "estragar" seus filhos com afagos. Deixá-los chorar pode, na verdade, piorar o seu desenvolvimento. As crianças que são embaladas no colo durante a primeira infância se tornam adultas mais empáticas, saudáveis, produtivas e gentis, além de menos deprimidas.

Segundo a pesquisadora Darcia Narvaez, as crianças crescem melhor assim. E, se você as mantêm calmas - porque todos os tipos de sistemas cognitivos estão se estabelecendo - tudo vai se desenvolver da maneira que tem que ser. Porém, se os pais as deixam chorar muito, esses sistemas vão ser facilmente desencadeados em estresse.

Fonte: Com informações da Vix

Carregando, por favor aguarde...
Informática p/ concursos
Matemática Básica
Quer mudar de vida?
Agente PRF
Matemática e Raciocínio Lógico no Podium
Aulão beneficente para carreira administrativa
Informática Cespe/UNB
Agente PF
Casa do Cartucho
Últimas Notícias
20h33 Prefeitura de Cocal promove curso “Como Conduzir Negociações Eficazes” 18h28 Assistência Social de Água Branca reinicia atividades do Projeto Nascer Saudável 18h03 "Firmino Filho coloca a Câmara de joelhos, se Doria receber o título será uma imposição do prefeito" 17h48 Estado Islâmico assume autoria de ataque que deixou feridos na Rússia 17h19 'Radar' diz que Dilma foi convidada para concorrer ao Senado pelo Piauí 17h14 Caçadores suspeitos de matar vigia de parque são detidos 17h02 Orquestra Sinfônica fará apresentação no 'Parque da Cidadania' domingo, 20 17h01 Guarda Municipal de Teresina encontra menor de idade desaparecida; detalhes 16h39 Serra da Capivara: Ministro divulga nota de pesar por morte de vigilante 16h31 Incêndio atinge residência e destrói carro que estava na garagem; fotos 16h31 TJ-PI deve realizar cerca de 500 audiências durante esforço concentrado 16h18 Simone Castro participa do Criança Esperança direto do Rio de Janeiro 16h05 Prefeitura de Pedro Laurentino divulga as atrações do festejo do Bom Jesus 15h54 Gilmar Mendes derruba decisão de juiz e manda soltar Jacob Barata 15h13 Ex-prefeito no PI é condenado e fica sem direitos políticos por cinco anos 15h09 Lei no Piauí proíbe corte de água e energia antes de feriado e final de semana 15h00 Começou ontem o Sétimo festival da Melancia em Alto Longá. 14h58 MP alerta para porte indiscriminado de armas brancas na cidade de Parnaíba 14h26 Advogadas lançam livro no TJ-PI sobre inquietações do universo feminino 14h05 Monalysa disputa hoje o Miss Brasil 2017 e pode fazer história pelo Piauí 13h50 Jovem é executado dentro de casa na zona Leste de THE 12h21 Curiosidade: Saiba qual é a frequência sexual média para cada idade 12h19 Henrique e Juliano levam susto com pane em avião: 'Encheu de fumaça' 12h03 Plenário do Senado votará mudança no registro de nascimentos 11h48 Justiça suspende novamente aumento de impostos sobre combustíveis